quinta-feira, 9 de julho de 2009

Pedido de desculpas

Afinal estava completamente errado, agora mais a frio tenho de admitir, o Bruno Carvalho foi a melhor coisa que aconteceu ao Benfica nos últimos anos. É verdade não estou louco, eu explico:


- Sem o Bruno Carvalho este defeso tinha sido igual a tantos outros e nunca mais chegaria ao fim.

- Os irrisórios 80 nomes saídos na imprensa (até agora) chegariam as duas centenas no mínimo.

- Desmascarámos certa comunicação social que nos pinta divididos e faz disso a sua força.

- Fizemos um papalvo gastar uma pipa de massa para viajar num avião praticamente vazio.

- Pela primeira vez na história, uma lista conseguiu ficar em terceiro numa eleição com dois candidatos (creio que isto caberia num qualquer recorde do Guinness).

- Com as palhaçadas do artista nem reparámos que no próximo fim-de-semana começam os jogos do glorioso, ainda a reinar mas já dá para matar saudades.

- Observámos o candidato afirmar tanta parvoíce que caberia num novo compêndio sobre, “Como não ir a eleições… para tolos”.


Vá, admitam lá, o gajo até teve a sua utilidade :)

3 comentários:

Dylan disse...

As eleições presidenciais no Benfica tiveram o condão de unir a nação benfiquista. Contra "cavalos de Tróia" e os sedentos de protagonismo, onde não faltaram as manobras pseudo-jurídicas para impedir o acto eleitoral e denegrir os estatutos do clube. A histeria provocada torna-se compreensível à medida que se aproxima o dia em que o Benfica tornará a ser detentor dos seus direitos televisivos desportivos e a sua TV começa a ter o êxito esperado. O poder associativo do Benfica nunca deve ser menosprezado por ninguém assim como a gratidão para com quem transfigurou um clube despedaçado num clube moderno e eclético.

http://dylans.blogs.sapo.pt/

Filipe Rodrigues disse...

Eu que sou do turismo, sei que a TAP ainda tentou pôr uma providência cautelar para ver se havia eleições no Benfica todas as semanas e assim facturar mais uns alugueres de avião... mas cuidado, porque de certeza que o avião não foi pago pelo paspalho. Não me admirava que parte da venda do Lucho tivesse ido directaente para a TAP. Óbviamente que falo da parte do dinheiro disponível, não conto com a verba que foi para as Ilhas Caimão...:)

último! disse...

Boa Filipe, o mais engraçado é que a brincar a brincar... se dizem algumas verdades :)